A boleia do Sargento Turner

 

Andy Simmons

O SARGENTO JONATHAN TURNER serviu o seu país durante 17 anos, durante os quais teve sete comissões de serviço no Afeganistão e no Iraque. Aos 41 anos, e sofrendo de stress pós-traumático, reformou-se. Um ano mais tarde, suicidou-se. Turner morreu na Califórnia, e a sua família, na Geórgia, não conseguia pagar as despesas para se deslocar até lá e recuperar as cinzas. Ao invés de a família se deslocar, os fuzileiros navais (Marines) tomaram providências para que os seus restos mortais fossem enviados para casa. E como é que transportaram Turner? Numa caixa da FedEx.   Mas os Patriot Guard Riders acharam que ele merecia uma viagem mais digna. Fundada no Kansas em 2005, a Patriot Guard Riders (PGR) é uma organização de patriotas e entusiastas de motociclos, dedicada a ajudar os veteranos das Forças Armadas. Quando souberam o que estava combinado para o transporte dos restos mortais de Turner, organizaram uma caravana.   A 5 de agosto de 2015, dezenas de Patriot Guard Riders acompanharam a urna de Turner desde Ontário, na Califórnia, até uma estação de serviço de camionistas em Lake Havasu, no Arizona, mesmo na fronteira da Califórnia. Um veterano entregou a caixa de madeira com as cinzas de Turner ao capitão da PGR do Arizona que depois percorreu com a urna os mais de 600 quilómetros até à fronteira do Novo México. A cerimónia de entrega repetiu-se, e os Patriot Guard Riders transportaram as cinzas pelo Texas e por aí a fora até que a urna chegou por fim à Geórgia, cinco dias e mais de 3200 quilómetros depois.«O grande estado da Geórgia aceita com orgulho este homem, na última jornada do seu regresso a casa», disse o capitão dos PGR da Geórgia ao receber a urna do seu congénere do Alabama.