A idade é só uma palavra

 

Por Dina Isabel

Locutora e Diretora da Rádio Sim

 

Uma palavra que se reflete no espelho e nalgumas incapacidades físicas que a nossa máquina vai denunciando. De resto, a idade é aquilo que nós quisermos que seja. Conheço «velhos» muito jovens e conheço jovens muito «velhos».

Não sei se já lhe aconteceu, mas a mim acontece-me com frequência: quando tenho de verbalizar os meus 50 anos, acho sempre muito estranho. Para lá desta marca no Cartão de Cidadão, está a mesma pessoa que tinha 18 anos e que olha para o mundo com a mesma vontade de viver cada momento, de aprender, de se atualizar.
Olho para os meus pais e sou incapaz de os incluir na classe dos «idosos» ou da «terceira idade». São os meus pais e são apenas pessoas com mais idade que – felizmente ainda bem de saúde – gostam de se divertir, de se sentir incluídos, de descobrir os desafios da Internet e das redes socias.

Não gosto que me digam numa loja qual é a roupa mais adequada à minha idade. Já me aconteceu, e saí porta fora!

Isto quer dizer que não vivo bem com este meio século e vida? Nada disso! Gosto de olhar para os meus filhos e de perceber como crescem e se tornam adultos; de olhar com orgulho para o que construí até aqui; de procurar sem drama um creme que me ajude a atenuar as rugas ou a flacidez. Sou otimista
por natureza e assumo estes anos como um património que me torna melhor, mais ponderada, mais sensata.

A Rádio Sim ensinou-me a perceber uma evidência: ninguém se sente com a idade que tem! Fazemos rádio a pensar em pessoas com mais de 50 anos, tentamos ir ao encontro dos seus interesses e das suas memórias, mas não lhes colocamos rótulos, nem permitimos que sejam julgadas pelos números que contam a partir da data de nascimento.

A Rádio Sim é «A Rádio do seu tempo», e esse é o que cada um quiser que seja.