A rádio é uma paixão

 

Por Dina Isabel

Locutora e Diretora da Rádio Sim

Para a generalidade das pessoas que trabalham na rádio, como eu, a rádio é muito mais que um trabalho, uma profissão. A rádio é uma paixão. A música, as palavras, os sons, os tons e a proximidade, faz tudo parte deste jogo que só faz sentido quando o mais importante é o ouvinte. Faço rádio há 30 anos.

Comecei com o vinil e as bobines, e hoje trabalho na era digital. Conheci diferentes gerações, grandes «monstros» da comunicação. Aprendi muito com eles: não só a ser mais profissional, mas também a ser melhor pessoa.

Por outro lado, estes 30 anos já me permitiram acompanhar orgulhosamente jovens promessas que hoje são valores incontestáveis. É tão compensador vê-los crescer e vingar.

Comecei na Rádio Comercial, com o enorme entusiasmo das primeiras descobertas e de mestres atentos e atenciosos. Passei para a Renascença, a quem tudo devo profissionalmente e que continua a ser a minha casa-mãe. Uma rádio que, ao longo de 80 anos, se tem renovado e atualizado. Uma rádio de que ainda faço parte de corpo e alma.

No entanto, olhando retrospetivamente para estas três décadas, não posso deixar de destacar o projeto que sinto mais «meu»: a Rádio Sim. Não é sempre que temos a oportunidade de começar uma rádio do início, com o grande desafio de ir ao encontro de todos, mas em especial dos que têm mais de 50 anos.

A Rádio Sim faz este ano dez anos. Dez anos em que a equipa foi sofrendo alterações, mas que sempre contou com gente empenhada e que entrega tudo o que tem para que consigamos levar aos ouvintes aquilo a que têm direito e que merecem.
Em troca, recebemos sorrisos, testemunhos incríveis e uma forma especial de nos fazerem sentir o quanto somos importantes nas vidas deles.

É por isso que não tenho dúvidas em afirmar que quem passa pela Rádio Sim leva uma marca que jamais se apagará.