Calendários Solidários

 

Por Dina Isabel

Locutora e Diretora da Rádio Sim

 

NÃO ME LEVAM A MAL se voltar a falar de rádio, pois não? As nossas paixões vêm sempre ao de cima, quer queiramos quer não.

Na Rádio Sim, a rádio do grupo Renascença onde trabalho, começamos em novembro uma azáfama que só termina em janeiro: fazemos uma tour pelo país a vender o nosso calendário solidário. Sim, antes da moda dos calendários solidários, com mais ou menos roupa, já nós tínhamos pegado no assunto.

E como é que tudo começou? Pela grande empatia que
os animadores têm junto dos ouvintes. Ao longo das últimas décadas, as rádios do nosso grupo têm estado associadas a campanhas solidárias por altura do Natal. Assim sendo, porque não juntar o útil ao agradável? Criar um calendário com as caras dos animadores cuja receita reverte a favor de uma instituição.

Fazer rádio no estúdio dá-nos muita satisfação, mas é junto das pessoas que nos ouvem que ficamos a saber mais: o que mais gostam, o que menos gostam, o que mudariam, os elogios e as reclamações.

No entanto, é mais do que isso: os sorrisos emocionados, os momentos em que a Rádio Sim foi importante na vida deles, o que oferecem sem nada pedir em troca, o que torna o nosso trabalho a coisa mais importante do mundo. São dias muito cansativos, muitas horas de viagem, muito tempo longe da família, muitas horas de disponibilidade para acolher as centenas de pessoas que vão ao nosso encontro.

Mas no fim, tudo valeu a pena: reforçamos o espírito de equipa, confirmamos a certeza de estar a fazer o que é certo, de ter um trabalho que também é uma missão. Em novembro, lá pelo meio do mês, os animadores da Rádio Sim fazem-se à estrada para ir ao encontro do que verdadeiramente importa, os seus ouvintes. Ah, e temos a certeza de estarmos a ajudar os que mais precisam, numa campanha solidária que este ano se repete.