Chaves

As termas do imperador

O nome recorda a origem: Aquae Flaviae (em português, Águas de Flávio) foi o nome

que os Romanos deram à povoação formada junto da grande ponte que ali construíram sobre o rio Tâmega.

Essa ponte é o principal monumento da cidade e é uma das maiores pontes que construíram na Península. O assoreamento, acelerado pela desflorestação e pelo arrotea­mento dos solos, fez subir muito o nível das águas e acaçapou os arcos, soterrando até quase completamente alguns deles, e isso apequenou muito a grandiosidade da obra romana, que, apesar de tudo, ainda hoje impressiona pela sua dimensão e robustez.

A meio da ponte, e de cada um dos lados, vêem-se duas colunas com inscrições gravadas na pedra. Uma delas diz que, sendo imperador Cesar Nerva Trajano Augusto Germanico Dacico, Pontifex Maximus, os Aquiflavienses fizeram esta ponte à sua custa. O adjectivo dácico diz-nos que, quando a ponte foi construída, já o imperador Trajano (98–117) tinha conquistado a Dácia (actual Roménia), conquista que data do ano 106 da era cristã. A ponte é portanto posterior a essa data, mas anterior a 119, data da morte do grande imperador, que era de origem espanhola.

A outra coluna foi encontrada não junto da ponte, como a anterior, mas numa calçada que conduzia até ao rio. O seu interesse está em que se refere a numerosas tribos: os Aquiflavienses, os Aobrigenses, os Bibalos, os Coelernes, os Equesos, os Interâmnicos, os Límicos, os Nebisocos, os Quarquernos, os Tamaganos. Seriam tribos célticas ou celtibéricas que os Romanos obrigaram a trabalhar em alguma grande obra pública, talvez uma estrada. É do ano 70 da nossa era, e portanto anterior à construção da ponte. É estranho que já refira os Aquiflavienses, pois o primeiro imperador da família Flávio foi Vespasiano (69–79).

As águas de Flávio eram águas quentes que brotavam do solo a uma elevada temperatura (73ºC), com bolhas de gás carbónico que as faziam parecer águas ferventes. Os físicos do tempo, como os médicos de agora, re­co­nhe­ciam-lhes eficácia no tratamento de várias doenças, e isso levou o lugar, ainda na época romana, à posição de prestigioso centro de tratamento.     

Na Idade Média, as termas eram recomenda­das aos gafos, e talvez isso tenha contribuído para que as termas tenham caído no esque­ci­mento durante muito tempo. Recorde-se, porém, que no século XII foi às termas (em S. Pedro do Sul) que D. Afonso Henriques recorreu na doença que o invalidou durante os úl­timos anos de vida, no século XV foi a rai­nha D. Leonor quem mandou construir o Hospital das Caldas da Rainha para os doentes miseráveis, no século XVIII era a essas termas que recorria o rei D. João V.

 

Terra fronteiriça, toda a região está protegida por castelos. Dentro da cidade de Chaves, além do castelo medieval, mandado construir pelo rei D. Dinis, existem duas importantes fortalezas da época da Restauração: S. Fran­cisco e S. Neutel. Na primeira, instalou-se recentemente um confortável hotel de turis­mo por iniciativa de um benemérito nascido na aldeia próxima. Este homem de Vilarelho da Raia que muito novo emigrou para o Brasil,  voltou para investir neste empreendimento todo o produto de uma vida inteira de trabalho.

Povoação regalenga, fez parte do dote da condessa D. Teresa, filha do imperador Afonso VI, e nas guerras fronteiriças do século XIV e do século XVII foi por várias vezes atacada, perdida e recuperada pelos Portugue­ses. A última peripécia da história militar de Chaves foi a defesa que a guarnição, ajudada por civis republicanos, fez contra a tentativa de incursão monárquica organizada por Paiva Couceiro, um herói das campanhas africanas que permaneceu até ao fim da vida leal ao seu juramento de fidelidade ao rei e promoveu várias ten­tativas de invasão e de revolta, todas des­tinadas ao malogro. A Avenida dos Defen­sores de Chaves, em Lisboa, recorda a defesa da cidade em 1912.

Mas são muito numerosas as credenciais de Chaves para a sua inclusão no número dos lugares históricos: os arredores pré-históricos, como o impressionante Castro da Curalha, as pedras gravadas do Outeiro Machado, as pontes e vias romanas, as varandas do Bairro Medieval, o Museu da Região Flaviense, a aldeia de Vilar de Nantes, onde nasceu o pai de Camões e onde têm raízes todos os membros conhecidos da sua família. E, além dos monumentos, a paisagem: doce, húmida, de colinas ondulantes e inesperados horizontes. O forasteiro chega, respira o ar, comunga nos sentimentos e surpreende-se a dizer: aqui começa Portugal.

______________________________________________________________________

Excerto retirado de "Lugares Históricos de Portugal" do Prof. José Hermano Saraiva