Europeus fiéis a Confiança

 

 

Os resultados do "European Trusted Brands" são reveladores das preferências dos cidadãos europeus, no que toca as marcas de que se sentem mais próximos.

São 20 as categorias, desde Automóveis a Vitaminas, comuns aos 16 países analisados. Mas a estas, cada país tem a opção de juntar até 20 outras categorias, as chamadas categorias locais. Todavia, e apesar das inevitáveis diferenças que separam os vários mercados europeus, é notória a coincidência de preferências dos euro cidadãos. Muitas das marcas de confiança são-no transversalmente aos 16 países, quer estejam integradas no grupo das globais, quer sejam locais.

Vejamos. Durante os últimos dez anos, a Nokia foi a marca que mais vitórias conquistou pois durante nove anos consecutivos foi votada como marca de maior confiança na sua categoria, em todos os países participantes. No último ano, contudo, perdeu essa distinção, uma vez que a França e a Suécia atribuíram a liderança da categoria de Telemóveis, respectivamente a Samsung e à Sony Ericsson.

Nos Cuidados com a Pele, a Nivea é outra das grandes vencedoras europeias nos últimos sete anos, a par de Visa que, ao longo do tempo, tem liderado na grande maioria dos países. Canon, Kellogg's, HP e Miele são outras das grandes referências na votação europeia, apontadas como Marcas de Confiança em muitos países ao longo dos anos.

Na grande maioria dos casos, não só são as mesmas marcas que, consistentemente, estão no topo, como também a sua quota de mercado se mantém similar ano após ano. São resultados reveladores de como o "valor" confiança não perde forca, quer estejamos perante consumidores franceses, alemães ou ingleses. É fácil concluir que as marcas que conseguem liderar as votações durante mais tempo são também aquelas que conseguem fidelizar os consumidores. Em suma, manter a sua confiança.

Quanto a sectores de actividade, verifica-se que apesar do actual clima de instabilidade que se vive em toda a Europa, os bancos e instituições financeiras que recebem maior votação, continuam a ser os mesmos desde 2001. Exceptua-se o Reino Unido, onde o NatWest Bank ganhou, pela primeira vez, o título do banco de maior confiança em 2010.

Em Portugal, a Caixa Geral de Depósitos mantém esse estatuto desde 2001 o qual, de resto, tem vindo a ser fortalecido, em termos de número de votos.

Já no sector automóvel são nove as marcas que detém a primeira posição no conjuntos dos 16 países. Contudo, a Opel, a VWe a Toyota conseguem ser as mais confiáveis em três países. Desde 2001, que sete países mantém as mesmas marcas no topo.

Portugal é um exemplo recente de mudanca uma vez que, depois de nove anos a liderar a sua categoria, a Mercedes foi ultrapassada na Confiança dos portugueses pela Toyota.

Como já referido, a par do estudo standard relacionado com marcas, o "European Trusted Brands" pretende também avaliar a confiança dos cidadãos europeus, não só na perspectiva de consumidores mas também enquanto seres integrantes de uma sociedade e e na sua relação com a mesma.

Daí o interesse na recolha de dados sobre as realidades sociais em cada país, como sejam as instituições nacionais, as profissões, a experiência na Comunidade Europeia, o lazer e os destinos de férias, etc. No último ano foram também incluídas questões sobre as relações inter-pessoais - a família, os amigos, os vizinhos e os colegas de trabalho.

No que às Profissões diz respeito, confirma-se o reconhecimento e, consequentemente, a confiança no trabalho desenvolvido pelos Bombeiros, Pilotos de Aviação e Farmacêuticos que continuam a ser as de maior confiança em toda a Europa.

Pelo contrário, os Políticos têm vindo a perder créditos de um modo muito significativo em todo o cenário europeu, registando em Portugal os valores mais baixos, desde sempre. Em 2010 apenas 1 % dos inquiridos disse confiar na classe política em Portugal.
De um modo geral, a perda de confiança nas instituições é, também, ao longo dos anos uma constante em todo o continente europeu. Só o Casamento e a Polícia recebem a confiança de mais de metade dos votantes europeus, numa clara manifestação da crise das instituições nos nossos dias. De assinalar, de resto, a única instituição que vê aumentada a confiança que nela depositam os cidadãos - a Polícia - que, sobe entre 2001 e 2010 cinco pontos percentuais.

Portugal, situa-se na média europeia, relativamente aoCasamento, no qual confiam 66% dos inquiridos e bastante acima, no que concerne a Polícia que tem o voto de 64% dos Portugueses.

Independentemente das questões de fé, a confiança na Igreja, tem vindo a perder terreno de um modo geral. São os finlandeses, cujos votos ultrapassam os 60%, que se destacam em toda a Europa apresentando os maiores índices de confiança, sem variação significa entre 2001 e 2010, seguidos do povo russo e do sueco. Em Portugal, a Igreja recebe 56% dos votos dos inquiridos.

O desencanto da maioria dos europeus na União Europeia está patente no decréscimo dos níveis de votação, Bélgica, Espanha e Hungria lideram a tabela com os níveis de confiança mais elevados. No extremo oposto surgem, compreensivelmente o Reino Unido e a Suíça, Portugal situa-se, em 2010, um pouco acima dos 50%.

O Sistema Judicial é, no contexto europeu, a instituição que maiores discrepâncias apresenta, dada a grande variação na votação dos diferentes países. Enquanto a Finlândia tem vindo a aumentar a sua forte convicção no poder judicial, tendo chegado muito perto dos 80% na sua votação, seguida pela Suíça e Suécia que se situam acima dos 60%, Portugal, na cauda da Europa, manifesta a sua descrença, exibindo os valores mais baixos de todo o continente - 21 % em 2001 contra 12% em 2010. À excepção da Holanda e do Reino Unido, todos os restantes países envolvidos neste estudo pontuam menos de 50%.

 

 

 

Profissões e Instituições  
Profissões 2010 2011 2012
Bombeiros 93% 96% 97%
Pilotos de Aviação 92% 96% 95%
Enfermeiros 87% 91% 92%
Farmacêuticos 90% 88% 91%
Médicos 84% 87% 91%
Agricultores 79% 85% 86%
Professores 78% 84% 79%
Meteorologistas 59% 74% 72%
Polícias 63% 70% 65%
Padres 49% 44% 47%
Taxistas 42% 41% 39%
Jornalistas 34% 39% 34%
Agentes de Viagens 31% 32% 29%
Juízes 33% 29% 25%
Advogados 23% 24% 22%
Consultores Financeiros 29% 28% 18%
Futebolistas 14% 17% 17%
Líderes Sindicais 16% 19% 14%
Vendedores de Automóveis 9% 10% 7%
Políticos 1% 4% 4%
         
Instituições               2010 2011 2012
Tv e Rádio 63% 70% 67%
Casamento 66% 69% 67%
Igreja 56% 57% 61%
Ambientalistas 51% 58% 53%
Imprensa Escrita 47% 52% 51%
Internet 50% 53% 51%
Euro - 54% 40%
União Europeia 53% 52% 37%
Multinacionais 36% 49% 36%
Banca 36% 43% 33%
Função Pública 40% 39% 28%
Governo 17% 15% 24%
Sistema Judicial 17% 19% 16%
Publicidade 16% 23% 16%