Fazer Iogurtes, Tratar Mentes

 

Como um psicólogo se tornou empresário - e ajudou a melhor muitas vidas 


Giles Tremlett de THE OBSERVER

 

Em 1984, um psicólogo espanhol desiludido chamado Cristóbal Colón conduzia o seu Citroën 2CV por uma floresta catalã de copas altas chamada La Fageda d’en Jordà. Cristóbal já tinha passeado naquela floresta aberta e encantada com os seus cães Bouvier da Flandres muitas vezes, mas agora ia a caminho de comprar uma quinta. O homem de 35 anos, de barba e ar sério, tinha abraçado as ideias de Marx e Freud durante os inebriantes anos da transição da Espanha para a democracia, na década de 1970.

Mas tinha ficado destroçado pelas suas experiências nos asilos psiquiátricos de Espanha, onde os inadaptados da sociedade eram depositados por um país que acreditava que dar-lhes cama e comida era o limite da sua responsabilidade. «Alguns estavam mentalmente doentes, mas outros eram simplesmente aqueles que a sociedade tinha considerado estranhos», diz. 

Cristóbal Colón, cujo nome se traduz para português como Cristóvão Colombo, vivia na cidade vizinha de Olot e tinha uma ideia improvável. Decidira que os pacientes do asilo local em Girona precisavam de empregos. Já não acreditava que as pessoas que não se ajustavam à sociedade deviam ser definidas pelas 2500 doenças mentais catalogadas pelos psiquiatras. «A única coisa que têm em comum é que nós somos o que o nosso cérebro é. Mas nós somos muito mais do que isso», diz Cristóbal.

Cristóbal também não queria que os pacientes simplesmente estivessem ocupados para passar o tempo. Em vez disso, acreditava que eles podiam ser uma parte eficaz da economia local, e que isso lhes permitiria serem valorizados como membros úteis da sociedade. «Queria que eles recuperassem a sua dignidade e a sua liberdade. O asilo tirou-lhes isso. Quando as pessoas metem a mão ao bolso para comprar alguma coisa, automaticamente dão valor ao trabalho que deu a fazê-la.»

Já que ninguém ia contratar o seu bando de trabalhadores por vezes frágeis, e muitas vezes excêntricos, Cristóbal percebeu que ele próprio tinha de se tornar empresário. Fora aprendiz de alfaiate aos 14 anos (antes de se virar para a psicologia) e era um homem prático, mas não tinha formação em empreendedorismo. Também queria que a sua empresa se estabelecesse num local de grande beleza natural. «Sabia que isso seria bom para mim», dizia. «Por isso, porque não haveria de ser bom para outros?» 

A região de Garrotxa, no interior profundo da Catalunha, parecia ideal. O seu trabalho em Girona significava que ele já tinha contactos e potenciais trabalhadores na zona. Alguns dos habitantes locais, no entanto, perguntavam-se se não tinha ele próprio fugido de um manicómio.

«Eu disse às pessoas que era Cristóvão Colombo, que vinha de um asilo mental e que queria fazer uma empresa no meio do campo», diz. «Com um nome e um projeto assim, alguns pensaram que o louco era eu.» 

A sua cooperativa de trabalhadores especiais, a que chamou La Fageda, por causa da floresta, começou por fornecer trabalho manual a partir da sua sede num velho edifício de um convento, partilhado com os bombeiros. Mas Cristóbal queria uma quinta. «Queria que produzíssemos alguma coisa com valor, e não fornecer mão-de-obra barata a outros.»

Quando a quinta Els Casals ficou à venda – com o seu edifício principal a cair por anos de negligência, mas com espaço para uma pequena manada de vacas leiteiras – viu ali um sinal do destino. 

O local fica numa paisagem dramaticamente bela mesmo junto à floresta. Cristóbal convenceu os bancos locais a emprestar-lhe parte dos 90 mil euros de que precisava para a comprar. Mas conseguiria esta empresa, propriedade de uma força de trabalho considerada mentalmente doente, competir no mundo crue do capitalismo do século XX? Muitos suspeitavam que não.

 

MAIS DE 30 ANOS PASSADOS, Cristóbal dirige um negócio com 256 empregados e vendas anuais de 16 milhões de euros. La Fageda, que produz iogurtes de alta qualidade, compotas e gelados, já foi estudada por escolas de gestão tão distantes como Harvard. Mais importante que tudo, cumpre o seu objetivo de dar emprego a quase toda a população de pessoas mentalmente doentes capazes de trabalhar em La Garrotxa.

Houve altos e baixos. Tentativas de montar uma carpintaria, uma oficina de pintura e um fornecedor de composto; falharam todas estrondosamente. Um negócio de leite bem-sucedido foi completamente arruinado pela entrada na União Europeia – com os seus lagos de leite e quotas obrigatórias. Isso forçou La Fageda a transformar em iogurte o leite fornecido por 350 vacas frísias. O viveiro de floresta da quinta, um dos maiores do seu tipo em Espanha, ficou sem trabalho depois de a economia do país cair em 2008.

Felizmente, naquela altura, a marca La Fageda já era suficientemente bem-sucedida para juntar a confeção de compotas às sua atividades. «Cometemos muitos erros», diz Cristóbal. «Mas sabemos que há muitas coisas que não sabemos – por isso perguntamos às pessoas. E isso é a nossa força.» 

La Fageda funcionou com base no entusiasmo durante muitos anos, com a sua equipa e trabalhadores a darem fins de semana para fazer visitas às povoações com os seus encantadores bezerros e amostras dos iogurtes. Quem dirigia a empresa deu consigo a trabalhar até tarde noite dentro para responder a tempo às encomendas.

Finalmente, os cremosos iogurtes gordos feitos com o leite produzido em La Fageda tornaram-se um êxito. Há quinze anos, Cristóbal começou a contratar uma equipa de gestão profissional, embora permaneça como patrão – a sua voz é que acaba por decidir nas assembleias dos membros da cooperativa onde só alguns membros percebem o que foi dito e todos ficam contentes em seguir a sua direção.

DEPRESSA SE TORNOU óbvio que o projeto La Fageda melhorou radicalmente as vidas dos seus trabalhadores-proprietários. Pessoas que se tinham tentado matar repetidamente já não o faziam. Os que levavam um salário mensal para casa já não eram um peso para a família. Para outros, as unidades residenciais de La Fageda em Olot também ofereceram uma solução para as suas necessidades fora do trabalho.

Maris Portas foi uma das primeiras a fazer a viagem pelos bosques de La Fageda com Cristóbal em meados dos anos 80. Filha única de uma família de camponeses pobres, fora deixada a tomar conta da sua mãe idosa antes de ter um esgotamento. Sendo-lhe diagnosticada esquizofrenia paranoica, foi enviada para o asilo. 

Ainda uma rapariga nova, foi, como diz, «enganada por um homem» e, como mãe solteira, juntou-se a uma categoria de marginalizados sociais na Espanha de Franco. O bebé, no entanto, era lindo e ela impediu os pais de o darem para adoção. «Ele era tão amoroso», diz. «Ter uma criança é a melhor coisa que nos pode acontecer.» Mas o pequeno Miquel morreu de cancro, com apenas quatro anos. María nunca recuperou completamente. 

Agora com 77 anos, ainda vem todos os dias para a quinta, para um clube de reformados que é parte dos serviços de apoio social de La Fageda. «Aqui sinto-me segura», explica. É mais feliz nos viveiros florestais e orgulha-se do que conseguiram. O trabalho continua a ser importante, embora haja pouco para ela fazer. «É uma coisa que descobrimos com as pessoas mais velhas», diz uma das cuidadoras, Violete Bulbena. «Querem, mesmo, mesmo, trabalhar. Alguns das gerações mais novas não querem tanto.» 

ENTRE AS HISTÓRIAS mais notáveis está a de Luis Martínez, de 57 anos, cuja mãe Margarita (...)*

 

* LEIA O ARTIGO INTEGRAL NA REVISTA SELECÇÕES AQUI