Ioga: corpo e espírito

 

O exercício também tem modas - num ano, está em voga o step, no seguinte, o bike, e no outro, o body pump. Existe, porém, um sistema de treino que tem resistido ao tempo: o ioga.

Desenvolvido há muitos séculos na Índia para atuar sobre o corpo, a mente e o espírito, o ioga, hoje difundido em todo o Mundo, além de melhorar a flexibilidade, influencia as emoções e constitui uma filosofia de vida total. As pesquisas realizadas pela medicina convencional mostram que a prática regular destas posturas e alongamentos, conjugada com uma respiração profunda, ajuda a prevenir e tratar inúmeras doenças. As posturas do ioga, ou asanas, tornam o corpo mais forte e flexível, descontraem e tonificam os órgãos internos, facilitam a respiração e a circulação, melhoram o equilíbrio e reforçam a energia, trabalhando a um nível mais profundo do que os exercícios de alongamento normais. Os asanas libertam o fluxo energético existente no nosso interior. Conhecer melhor o ioga encoraja-nos a expandir o nosso potencial físico, mental e espiritual. O controlo da mente permite-nos contrariar o stress resultante do ritmo dos nossos dias, ajudando a evitar doenças do foro físico. O ioga tem elementos que acalmam a mente e curam o espírito: o pranayama, que abranda o ritmo respiratório e regula o fluxo energético (prana), o relaxamento e a meditação. O ioga funciona como uma terapia preventiva e curativa. A prática diária do ioga devolve o equilíbrio e harmonia naturais, proporcionando um bom estado de saúde geral.

 

A flexibilidade em foco

O ioga não faz milagres, mas ao aumentar a flexibilidade das articulações pode trazer enormes benefícios. Em primeiro lugar, os movimentos lentos do ioga introduzem o exercício sem esforço ou dor. Mesmo que tenha pouca mobilidade e só consiga manter as posições durante cinco segundos, a sua flexibilidade e forma física começam logo a progredir. Uma articulação flexível pode fazer uma gama de movimentos maior do que uma articulação «perra» ou pouco mobilizada. Com o tempo, a flexibilidade vai aumentando e os exercícios tornam-se mais fáceis. Estudos recentes demonstram que os alongamentos estáticos do ioga – estiramentos graduais e controlados dos músculos, mantidos de 15 a 30 segundos – ajudam a reduzir a dor muscular causada pelo exercício. Quando os tecidos sofrem lesões devido à atividade física (ou por bactérias, toxinas ou calor), libertam substâncias químicas que atraem os glóbulos brancos do sistema imunitário, cuja tarefa é remover células lesadas ou mortas. Neste processo, a fagocitose, morrem milhares de glóbulos brancos. Outro beneficio do ioga é a redução da dor na zona lombar, dado que as posições de alongamento aumentam a temperatura dos tecidos, promovendo o relaxamento muscular e a diminuição da tensão lombar. Os alongamentos aceleram o transporte de sangue e nutrientes diretamente para os músculos, reduzindo a acumulação de toxinas. Outra vantagem, menos conhecida, é o aumento da coordenação neuromuscular. Os estudos mostram que os alongamentos aumentam a velocidade dos impulsos nervosos (o tempo que um sinal demora a chegar ao cérebro e a regressar) e ajudam grupos opostos de músculos a trabalhar de modo mais coordenado e sinergético.

 

Outros benefícios

A melhoria da flexibilidade permite que a atividade física se torne um divertimento. Ao contrário de outros tipos de exercício que reforçam a flexibilidade, o ioga permite-lhe também relaxar o espírito e o corpo, aumentando o bem-estar. Ajuda a controlar a tensão arterial e treina o corpo a descansar profundamente e a libertar-se do stress. Por conseguinte, as glândulas suprarrenais produzem menos cortisol, hormona libertada em momentos de stress e medo.

 

Qual o melhor tipo de ioga? Existem vários ramos do ioga, ou «vias», cada um dos quais com metodologia e filosofia próprias. O ioga mais comummente praticado no Ocidente tem por base o hatha ioga, que privilegia posturas suaves de alongamento e fortalecimento. Se vai começar agora, experimente diversas aulas e professores antes de decidir que tipo de ioga prefere.

u Ananda ioga. Uma vez que ananda significa «estado de beatitude», este tipo de ioga consta de posições suaves durante as quais se murmuram frases que evocam estados de serenidade. Para a criação de uma atmosfera de encantamento, recorre-se a óleos da aromaterapia e à música de címbalos, sinos e cornetas.

u Iyengar ioga.Fundado há cerca de 60 anos, o iyengar é uma versão moderna das posturas clássicas que dá prioridade ao alinhamento rigoroso do corpo e à manutenção de certas posições durante alguns minutos.

u Kripala ioga. Prática suave e introspetiva que se distingue das outras pelo tempo que os praticantes mantêm cada postura. Os outros tipos de ioga obrigam a uma maior mudança de posições. O kripala é ensinado em três fases: posturas, respiração e consciência do corpo.

u Kundalini ioga. Antiga forma do hatha ioga que privilegia as posturas estáticas, que despertam o kundalini, ou o «espírito da serpente enrolado» no interior de cada um. Trabalha-se a respiração, o canto e a meditação para captar essa energia e canalizá-la para os sete centros de energia do organismo, ou chakras. O kundalini tem ligações com o tantra ioga, que recorre a exercícios para desenvolver, equilibrar e controlar o desempenho sexual.

u Power ioga. Consta de exercícios vigorosos, com uma rápida sequência de posturas, de pé e deitado, que visam purificar e fortalecer o organismo. Uma variante utiliza correias, roldanas, cobertores e sacos de areia, para ajudar a executar as posições. Existem outros tipos de ioga, como raja ioga, cujo objetivo é o controlo da mente; o jinna ioga, que se centra no intelecto, e o bakti ioga, de vertente religiosa.

Seja prudente.

Quase todos podem usufruir dos benefícios do ioga, incluindo os idosos, crianças e doentes crónicos. Porém, se está grávida ou tem problemas cardíacos, circulatórios, de pescoço ou coluna, não comece a fazer ioga sem consultar previamente o médico. Também é necessário falar com o médico se sofre de esclerose múltipla, síndroma da fadiga crónica ou fez recentemente uma fratura. Se sofreu alguma lesão ou uma intervenção cirúrgica, certifique-se de que está completamente curado antes de começar a praticar ioga. Se não tem problemas de saúde graves, comunique ao professor quaisquer dores nas costas, pescoço ou joelhos para evitar demasiado esforço nestas áreas. Nunca force o corpo a executar qualquer posição. Tente minimizar o esforço desde o início e esteja atento às necessidades e capacidades do corpo. Aperceba-se dos seus limites naturais nos alongamentos e tente ultrapassá-los de forma suave e gradual.

_______________________________________

Excerto retirado de "REFORCE AS SUAS DEFESAS"