Novidades da Medicina

Palmilhas são uma boa escolha para a artrite dos dedos dos pés

Estima-se que 44% dos seniores com mais de 80 anos tenham osteoartrite no dedo grande do pé. Alguns pacien­tes usam órteses para os pés (palmi­lhas ortopédicas) ou calçado rocker-sole (com a sola curva) para re­duzir a pressão nas articulações dos dedos dos pés. Um estudo patrocinado pelo National Health and Medical Re­search Council da Austrália descobriu que ambas as intervenções aliviam a dor. No entanto, as órteses para os pés podem ser uma melhor aposta, pois é menos provável que causem dores de costas e comprometam o equilíbrio.

As etiquetas dos alimentos influenciam a perceção do sabor

Numa experiência realizada na Uni­versidade de Ghent, na Bélgica, 129 pessoas provaram quatro queijos Gouda. Em média, eles associaram um sabor menos salgado ao queijo com a etiqueta «teor de sal reduzido» e não gostaram tanto do queijo marcado como «light», preferindo o «normal». Sem o saber, os provadores estavam a comer sempre o mesmo produto.

Avanços no cancro da mama

O cancro da mama é hoje muito mais conhecido do que há 50 anos – é quase como estarmos «noutro universo», diz um cirurgião oncológico. O que atualmente sabemos de genética, de novos medicamentos e da forma como as pessoas respondem aos tratamentos faz parte das razões que levam a que hoje menos pessoas morram de cancros que não alastraram. Isso mesmo é o que diz a Dr.ª Monica Morrow, do Memorial Sloan Kettering Cancer Center. Tais melhorias foram particularmente rápidas na última década, nota a especialista, e existem mais avanços no horizonte, tais como tratamentos personalizados, destinados a combater o cancro específico de cada paciente. 

Sentar-se causa-lhe tristeza?

De acordo com investigadores australianos, mulheres de meia-idade que passam mais de sete horas por dia sentadas têm uma probabilidade 47% maior de vir a mostrar sinais de depressão do que aquelas que apenas passam sentadas quatro horas ou menos. As que não desenvolvem qualquer atividade física têm mais 26% de hipóteses de ter sintomas depressivos nos três anos seguintes do que aquelas que seguem programas de exercício. 

Mais de 40 anos? Ande embora!

Está interessado num desporto intenso, como o ciclismo ou a corrida? Não deixe que a idade o trave. O relatório da reunião de maio da Sociedade Europeia de Cardiologia compara homens que começaram a fazer desporto antes dos 30 e depois dos 40. Ambos os grupos mostraram corações saudáveis aos 55 e aos 70, quando confrontados com pessoas que não fazem muito exercício.