O Herói de Capa

 

Um rapazinho de 4 anos descobre que a compaixão pelos menos afortunados pode produzir resultados sobre-humanos.

 

CLAIRE NOVAK

AUSTIN PERINE não é o super-herói típico. É evidente que tem um arqui-inimigo, como todos os bons super-heróis. Até dá um nome cativante ao seu alter ego heroico: Presidente Austin. No entanto, duas coisas distinguem este cruzado de capa: o adversário não está confinado às páginas de um livro de banda desenhada – os inimigos do Presidente Austin, a fome e a falta de abrigos, são reais. Além disso, tem apenas 4 anos.

A história do nosso herói começou em fevereiro do ano passado na sala de estar da casa da família em Birmingham, no Alabama. Austin e o pai, T. J. Perine, estavam a ver um programa no Animal Planet sobre um panda que abandona as crias. «Eu expliquei-lhe que as crias ficavam algum tempo sem abrigo», conta T. J. «Austin não sabia o que significava sem abrigo mas ficou triste e quis saber mais.» Vendo que estava perante uma oportunidade de aprendizagem, T. J. levou Austin ao Firehouse Ministries, um abrigo local que fornece abrigo, alimentação e outros serviços a sem-abrigo de longa data. Quando passaram pelo prédio de tijolos vermelhos, viram um grupo de cerca de 25 sem-abrigo em pé, na esquina da rua. «Papá, eles parecem tristes. Podemos trazer-lhes comida e fazê-los sorrir?», disse Austin. 

Nesse dia, Austin gastou a mesada a comprar um hambúrguer do Burger King a cada uma daquelas pessoas e ele mesmo entregou a comida. Vendo o que a sua presença significou para os sem-abrigo, Austin e T. J. regressaram na semana seguinte. Uma vez mais, Austin recorreu ao seu porquinho mealheiro e comprou hambúrgueres, que distribuiu por todos, juntamente com o seu slogan: «Não se esqueça de mostrar amor!»

Ao fim de cinco semanas, a gentileza de Austin tinha-se espalhado nas redes sociais e nos meios de comunicação nacionais. O Burger King juntou-se à causa e
concordou em doar mil dólares por mês durante um ano. No início, Austin e T. J. conseguiam alimentar entre 25 a 50 pessoas de uma vez. Agora conseguem alimentar entre 800 a 2 mil pessoas ao mesmo tempo. Mas Austin também melhora a vida de todos com quem se cruza. Naquela primeira visita ao Firehouse Ministries, Austin e T. J. conversaram com um homem chamado Raymont que se tinha afastado da família. O respeito com que Austin tratou o indivíduo de 41
anos comoveu-o e partilhou com T. J. a gratidão que sentia por ser tratado com tanta consideração por um estranho de 4 anos. Raymont e T. J. mantiveram-se em contacto. Com a ajuda da mãe, Audrey Perine, que na altura trabalhava no Departamento de Transportes do Alabama, T. J. auxiliou Raymont a obter os documentos necessários para tirar a carta de condução. A carta de condução ajudou Raymont a arranjar um emprego. Com dinheiro no banco, Raymont conseguiu arrendar uma casa. Tudo isto foi possível porque um rapazinho dedicou tempo a cuidar dos outros.

A paixão de Austin converteu-se na vocação da família. Depois de conseguir financiamento através de uma página no GoFundMe, Audrey criou a Show Love Foundation, uma organização sem fins lucrativos dedicada a arranjar habitação para os sem-abrigo. Ela desempenha o cargo de presidente e T. J .deixou o seu emprego como gerente de projeto numa cadeia de hospitais para supervisionar, a tempo inteiro, as relações públicas da fundação. Está em negociações com a cidade de Birmingham para que o prédio de tijolos vermelhos onde tudo começou – a Firehouse Ministries está em mudanças – possa receber a sede do seu próprio abrigo, que oferecerá cuidados médicos e psicológicos, bem como aconselhamento para evitar a situação de sem-abrigo.