O Melhor Amigo do Cão

 

Texto ANDY SIMMONS

 

Jarrett Little estava a testar a sua bicicleta de montanha nos arredores de Columbus, na Geórgia, quando o seu parceiro de corrida, Chris Dixon, parou de repente. Ao longe, algo mexia-se entre as árvores e captou-lhe a atenção. Perceberam tratar-se de um cão de cinco meses, dourado, arraçado de dogue alemão.

«Estava muito magro, tinha as costelas à mostra, muitas feridas e uma pata partida», contou Jarrett à CBS News. Os ciclistas deram-lhe de comer e beber. Também queriam levar o cão com eles, apesar de não saberem como. Estavam a mais de 10 quilómetros do centro e deslocavam-se de bicicleta. «Não podíamos deixá-lo ali», disse Jarrett ao jornal local Ledger-Enquirer. Jarrett, de 31 anos, empresário na área do cimento e tijolos, teve uma ideia. Pegou cuidadosamente no novo amigo com quase 18 quilos e colocou-lhe as patas traseiras dentro dos bolsos de trás da sua camisola de ciclismo. Depois segurou-lhe as patas dianteiras nos ombros. 

«O cão estava ferido e não se debateu», recorda Jarrett. «Também estava feliz por estarmos lá, a fazer-lhe festas, e não o escorraçámos.»

Os três viajaram durante trinta minutos até uma loja de bicicletas, onde arranjaram água e comida para o cão. Foi nessa altura que apareceu Andrea Shaw, advogada do Maine, que tinha ido a Columbus em negócios. O cão foi direito a ela, lambendo-a e «adorando-a», conta Chris. Andrea comoveu-se e, depois de saber o que tinha acontecido, declarou a sua intenção: «Vou ficar com este cão.»

Andrea deu-lhe o nome de Columbo e marcou uma operação cirúrgica para lhe tratar a perna.

Atualmente Columbo vive a vida ao máximo, numa quinta com um cavalo, um pónei, um menino de 6 anos e dois coonhounds.