PARIS

J´aime Paris au mois de mai

Avec ses bouquinistes

Et ses aquarellistes

Que le printemps a ramenés 

 

Comme chaque année le long des quais

J´aime Paris au mois de mai

La Seine qui l´arrose

Et mille petites choses

Que je ne pourrais expliquer.

Charles Aznavour, J’aime Paris au mois de mai

 

Paris é a capital de França e da região administrativa da île-de-France. Estende-se nas margens do rio Sena e tem mais de 2,2 milhões de habitantes, enquanto a aglomeração de Paris tem mais de 11 milhões de habitantes e é uma das maiores da Europa. Em tempos antigos era um povoado fortificado gaulês. Quando chegaram as tropas romanas de César, em 52 a.C., deram-lhe o nome de Lutécia. Os seus habitantes eram os Parisii, de onde veio o nome de Paris. Foi capturada em 486 por Clovis, rei dos Francos, que fez dela a capital do seu reino, em 508. Os Capetos, que reinam a partir de 987, preferem Orleães a Paris, uma das duas cidades do seu domínio. Hugo Capeto, apesar de ter residência na île de la Cité, pouco lá permanece. A cidade torna-se um importante centro de ensino religioso a partir do século XI. O poder real fi xa-se progressivamente em Paris, que volta a ser capital do reino a partir de Luís VI (1108-1137) e sobretudo Filipe Augusto (1179-1223), que a cercou com uma muralha. Com a sua localização central, nas margens do Sena, um rio navegável, desenvolveu-se como um centro de comércio, e a partir de meados do século XII passou a contar com uma das primeiras universidades europeias.

Em 1528, Francisco I fixa residência em Paris. No Collège de France promove um outro tipo de ensino, moderno, virado para o humanismo e as ciências exatas. Paris atinge 280 000 habitantes e é a maior cidade do mundo ocidental. 

Em 14 de julho de 1789, a queda da Bastilha marcou o início da grande Revolução Francesa. Os anos do Império (1804-1814) deixaram uma impressão duradoura nos nomes de ruas, pontes e monumentos destinados a perpetuar a grandeza e a glória de Napoleão I. Paris foi o centro das revoluções de 1830 e de fevereiro de 1848. De 18 de março a 28 de maio de 1871 a cidade viveu a revolução da Comuna de Paris. O século XIX foi principalmente um período de rápido desenvolvimento da cidade. São construídas fábricas, e em 1837 o comboio chega a Paris, com a inauguração da linha de Paris a Saint-Germain-en-Laye. O aumento da densidade populacional causou a deterioração das condições de saúde. Muito tem sido dito sobre a modernização de Paris durante o Segundo Império (1852-1870). Georges Haussmann realizou um trabalho em larga escala de reconstrução da capital. As exposições internacionais de 1855, 1867, 1878, 1889 e 1900 atraíram artistas e a cidade ganhou a reputação de capital cultural do mundo.

Em 1900 e 1924 Paris acolheu os Jogos Olímpicos, e em 1937 houve uma outra exposição mundial. Durante a Segunda Guerra Mundial, em 14 junho de 1940 os Alemães ocuparam Paris. A ocupação terminou em 22 de agosto de 1944, quando a cidade foi recuperada pela resistência e pelas tropas aliadas. Depois da guerra, prosseguiu um crescimento dinâmico, reconstruiu o sistema de transportes, criando uma rede em torno da cidade e novos aeroportos. Em 1989, Paris foi Capital Europeia da Cultura. 

Hoje Paris é um grande centro de comércio e fi nanceiro, cultural e científico, e um grande centro da moda. Acolhe a sede da UNESCO. A sua aglomeração representa cerca de 30% da produção industrial do país. É um importante pólo rodoviário e ferroviário e o maior porto fluvial de França.

É também um dos mais importantes centros de transporte aéreo a nível mundial, com os aeroportos de Charles de Gaulle e Orly. Entre as suas muitas universidades famosas incluem-se a Sorbonne (fundada em 1257), o Collège de France (fundado em 1530) e o Politécnico (fundado em 1794). Em Paris há também instituições da vida científica e cultural como o Instituto de França, duas óperas e teatros famosos como o da Comédie Française.

Entre as igrejas mais famosas de Paris estão a maravilhosa catedral gótica de Notre Dame (séculos XII-XIV), Sainte-Chapelle (século XIII), a igreja da antiga abadia de Saint-Germain-des-Prés (séculos XI-XII, século XVI), o Sacré-Coeur (1876-1915).

O edifício histórico do Louvre foi um dos maiores palácios do mundo. Começou por ser fortaleza, mais tarde foi residência real, hoje é museu. Outros monumentos notáveis são o Hôtel des Invalides, o Palácio do Luxemburgo (século XVII), o Palácio do Eliseu (início do século XVIII), o Arco do Triunfo (1810-1836), a Ópera (1875), e o símbolo de Paris, o edifício mais famoso da Europa, a Torre Eiffel (1889).

Paris pode gabar-se de ter algumas das ruas mais elegantes do mundo: os Campos Elísios (Champs-Élysées), os Grands Boulevards, que são um testemunho do desenvolvimento urbano da cidade durante o Segundo Império. Para passear e descontrair tem o Bois de Boulogne, o Bois de Vincennes, os jardins das Tulherias ou os do Luxemburgo. Há museus para todos os gostos: o Louvre, o Museu d’Orsay, o Museu de Cluny, o Museu Militar, inúmeros museus biográficos, como o de Picasso ou o de Rodin… Na periferia, o famoso palácio e os jardins de Versalhes, as antigas residências reais de Vincennes, Fontainebleau e Saint-Germain-en-Laye.