Telemóveis com cortiça

 

Tecnologia e investimento português. A Ikimobile lançou o primeiro smartphone do mundo com componentes de cortiça, material antibacteriano e hipoalergénico.

 

MÁRIO COSTA

 

O MERCADO DOS TELEMÓ­VEIS está repleto de modelos para todos os gostos e feitios e recheados de tecnologia. É neste mercado, dominado e saturado pelas grandes marcas internacionais, que a portuguesa Iki Mobile quer fazer a di­ferença: «Talvez o mercado não esteja saturado se ligarmos a produção dos telemóveis ao ambiente. Porque os telemóveis também poluem durante a sua produção – a energia que se gasta, a produção dos componentes, nomea­damente as baterias, o transporte e quando chegam ao fim de vida, e nem todos os componentes são recicláveis. Se calhar o mercado está saturado de telemóveis normais e não de telemó­veis que tenham essa vertente de se­rem amigos do ambiente, cujo fabrico tenha uma menor pegada humana, que utilizam matéria-prima que não agride o ambiente, como os epóxis na­turais em vez de produtos químicos, como as tintas. Porque a tecnologia em si não polui, o que polui é a forma como depois a disponibilizamos e con­sumimos», defende à Selecções Tito Cardoso, CEO da Iki Mobile.

 Criada em 2013 por iniciativa de cinco empresários, a Iki Mobile aposta no fabrico de telemóveis para os mer­cados da Europa, África – com especial destaque para os países lusófonos –, América do Norte e alguns países da América do Sul como, por exemplo, o México, assim como o mercado árabe. A par da marca própria, a Iki Mobile também fabrica telemóveis para outras marcas na sua fábrica de Coruche.

(...)

Apesar de a marca ser portuguesa e recorrer a matérias-primas portu­guesas, a tecnologia que a Iki Mobile utiliza nos seus aparelhos vem precisa­mente da China, destino que há muito se tornou um dos principais polos tec­nológicos do mundo: «Há muito tempo que a Europa deixou fugir a tecnologia para a Ásia. E Portugal, como o resto da Europa, não produz muitas coisas, como baterias para telemóveis ou pro­cessadores. E quem precisa desse mer­cado, dos componentes, tem de com­prar no exterior, embora alguns desses componentes, poucos, sejam feitos na Europa. Mas não somos apenas nós, são todas as marcas. A diferença é que entre ter Made in China no produto, ou ter Made in Portugal, nós podemos dizer que o nosso produto é português porque mesmo assim conseguimos ter mais de 30% de componentes feitos em Portugal», explica Tito Cardoso.

Um desses componentes é a cortiça. A Iki Mobile decidiu apostar num pro­duto inovador e diferenciador e criou um telemóvel que incorpora este pro­duto natural, substituindo assim os componentes metálicos ou plásticos da sua estrutura e que oferece inúme­ras vantagens. «A escolha da cortiça teve por base três fatores que conside­ramos importantes num processo de produção sustentável: é um processo industrial 100% natural no qual ...

Leia o artigo completo na edição da Revista Selecções de Junho 2019. Compre já