Use-o, senão perde-o

 

Quer esteja a aprender a dançar quer a jogar xadrez, "a rede elétrica" do seu cérebro irá iluminar-se como a Baixa no Natal.

Mensagens químicas correm juntos a várias centenas de quilómetros por hora de um neurónio para o neurónio do lado através de uns "fios" chamados axónios. À espera de receber esta informação estão as dendrites, que são os "prolongamentos" dos neurónios mencionados assim. E quer saber uma coisa? É você quem desempenha o papel principal, ao manter esta rede a vibrar.

"Aprender novas competências e adquirir novos conhecimentos aumenta o número de ligações no cérebro, e quanto mais ligações existirem, mas eficiente fica o cérebro", afirma Robert Logie, professor de Neurociência Cognitiva Humana na Universidade de Edimburgo. Obrigar o cérebro a aprender coisas novas leva a que gere mais dendrites, o que aumenta a capacidade de pensar, decidir, aprender e recordar.

Por outro lado, ser-se mentalmente inativo tem o efeito oposto. O cérebro, permanentemente em modo de limpeza, deixa que os neurónios não utilizados morram e "elimina" as dendrites subaproveitadas, tal como um jardineiro corta os ramos mortos de uma árvore.

GRANDES RECOMPENSAS

Se mantivermos o cérebro em boa forma, podemos até proteger-nos do declínio mental que tende a ocorrer com a idade.

Seguem-se três exemplos simples para reforçar diariamente o poder do cérebro:

- Conversar

- Caminhar

- Jogar videojogos

___________________________________________

Texto retirado de "Cérebro em Forma para Toda a Vida"